Em formação

Os besouros Darkling podem voar?


Eu pesquisei na internet se os escaravelhos podem voar e li resultados mistos. Alguns dizem que podem, há até vídeos sobre isso, mas, novamente, dizem que não podem, devido às asas fundidas ou algo parecido.

No momento, estou interessado em larvas de farinha e pretendo cultivar alguns eu mesmo, e algumas pessoas mostram seus contêineres sem tampas, embora os besouros devam poder voar, não é?

Isso é realmente confuso para mim, obrigado pelos comentários.


Resposta curta; Depende. Os escaravelhos negros são uma família muito grande de escaravelhos (Tenebrionidae), onde algumas espécies podem voar e outras não. Olhando mais especificamente para o gênero Tribolium (ou seja, larvas de farinha), a que muitas pessoas se referem quando falam sobre escaravelhos, também é diferente. O comum Tribolium castaneum (besouro de farinha vermelho), bem como T. molitor são bons voadores, enquanto T. destructor não voa. O mesmo vale para o besouro da farinha confuso (T. confusum), que não é saber voar pelo que eu sei.


Minhocas-da-farinha ou besouros de areia

Os vermes adultos menores de farinha são insetos de 1/2 polegada de comprimento, de marrom escuro a preto, que também são chamados de escaravelho escuro. O estágio larval de amarelo claro a marrom tem um corpo cilíndrico e duro como o de um verme. Quando totalmente crescidas, as larvas têm 1/2 a 3/4 de polegada de comprimento. Os adultos e as larvas podem ser encontrados na cama do chão, onde se alimentam de ração para aves, fezes secas de pássaros e carcaças de pássaros. Eles são um dos insetos necrófagos mais bem adaptados, associados a operações de frangos de corte à base de cama e a instalações de ovos com sistemas de manejo de esterco em fossas profundas.

Problemas

Os problemas com esse inseto resultam do acúmulo gradual de um grande número na cama de frangos de corte. Alimentos para esses necrófagos são abundantes, então eles só precisam de um pouco de umidade de bebedouros ou canos com vazamentos para prosperar. Tanto os adultos quanto as larvas são mais ativos à noite do que durante o dia, portanto, um grande número pode estar presente antes que o produtor perceba o problema.

  • Dano estrutural ocorre quando as larvas deixam a ninhada para encontrar um local seco para formar uma pupa e passar para a fase adulta. Nesse ponto, eles podem formar um túnel em materiais de isolamento de poliestireno ou mesmo em vigas e suportes de madeira. As larvas têm maior probabilidade de deixar a ninhada se estiverem muito aglomeradas. Túneis extensos podem arruinar o isolamento e forçar reparos caros.
  • Invasões de casas ou edifícios por milhares de besouros resultou em ações extremas para controlar os insetos e até mesmo processos judiciais movidos contra produtores por proprietários de casas. Normalmente, isso ocorre quando a cama ou esterco de aviários fortemente infestados foi espalhado pelos campos. Se feito quando as temperaturas são altas, os besouros voarão do campo e podem aparecer repentinamente nas casas. À noite, os besouros são atraídos por luzes que variam em intensidade de uma única vela aos faróis de um carro. Eles parecem mais propensos a voar entre 20h e meia-noite. Não há informações sobre a distância que eles podem voar.
  • Doença reservatórios são locais onde os patógenos podem permanecer e representar uma ameaça à saúde do rebanho. Minhocas menores se alimentam prontamente de pássaros mortos e moribundos. Eles podem ser contaminados com patógenos como Salmonella, Escherichia coli ou vírus da doença infecciosa da bolsa. Aves saudáveis ​​podem ser infectadas após comer larvas infectadas ou besouros adultos da ninhada.

Biologia e Comportamento

As larvas de farinha menores geralmente não são distribuídas uniformemente pela casa. Eles tendem a se reunir em áreas que são mais favoráveis ​​para eles. Normalmente, é onde há umidade adequada ou onde a cama é mais solta e mais funda. As larvas e os adultos tendem a se acumular sob qualquer coisa que se encontre na superfície da cama ou logo abaixo dela. Alimentadores de piso fornecem locais excelentes para eles se esconderem. Se nada estiver disponível, eles permanecerão nas bordas da cama endurecida. As larvas e adultos da larva da farinha evitam áreas muito secas ou muito úmidas, mas precisam de um pouco de umidade para sobreviver.

Os ovos são colocados em lotes na cama e eclodem em 4 a 5 dias sob temperatura ambiente típica. O período larval, normalmente cerca de 10 semanas, pode ser tão curto quanto 8 semanas. Após um estágio de pupa de 5 a 10 dias, o adulto emerge. O tempo médio do ovo ao adulto leva cerca de 80 dias. Os besouros podem se desenvolver quando a temperatura está entre 60 ° F e 90 ° F. Os adultos podem viver vários meses.

Gestão de besouros

O manejo eficaz da ninhada pode retardar o desenvolvimento desses besouros e reduzir as chances de aumento excessivo de seu número. Aqui estão algumas práticas a serem lembradas.

  • A água é uma necessidade fundamental para os besouros de larvas de farinha, portanto, verifique se há vazamentos nos canos e nos bebedouros. Todas as medidas para manter a cama seca ajudarão a diminuir o número de besouros.
  • Áreas de armazenamento de ração ou ração derramada fora dos galpões podem ser um ponto de partida para infestações por besouros. O saneamento é muito importante.
  • Mova os comedouros e bebedouros quando for prático para embalar o lixo solto e torná-lo menos adequado para os insetos.
  • A limpeza regular e o descarte de lixo podem eliminar um grande número de besouros. É melhor fazer isso quando as temperaturas estão baixas o suficiente (perto ou abaixo de zero) para matar a maioria dos insetos.

Amostragem

A preferência das larvas de larvas de farinha e besouros por ficarem embaixo dos objetos tem sido usada para desenvolver uma armadilha para monitorá-los na cama das aves. Embora não haja diretrizes de tratamento em termos de número de besouros capturados, você pode detectá-los precocemente e observar as mudanças nas contagens de armadilhas ao longo do tempo. As capturas de armadilhas também permitem avaliar as medidas de controle que foram aplicadas. Pelo menos alguns besouros serão encontrados na maioria das casas, não há como erradicá-los ou excluí-los.

A armadilha é um tubo de PVC de 1-1 / 2 polegadas de 9 polegadas de comprimento que contém um pedaço de papelão ondulado de 8 polegadas x 11 polegadas que foi enrolado de forma que o comprimento de 8 polegadas fique dentro do tubo. Besouros e larvas do verme da farinha rastejam entre as camadas de papelão para se esconder. Devem ser feitos furos em cada extremidade do tubo para que as estacas possam ser usadas para segurar a armadilha no lugar na cama. As armadilhas devem ser colocadas em centros abertos da casa para fácil recuperação. Evite colocá-los perto de paredes, alimentadores ou bebedouros. A cama é geralmente mais compactada ali, os besouros e as larvas preferem a cama mais solta.

Três armadilhas, aproximadamente uniformemente espaçadas ao longo da linha central de cada galpão, devem ser adequadas para o monitoramento de rotina. Eles podem ser verificados facilmente removendo e desenrolando o papelão para contar besouros e larvas. A data e os números encontrados devem ser registrados para que as tendências possam ser detectadas. Se necessário, o papelão enrolado de cada armadilha pode ser colocado em sacos plásticos individuais e examinado posteriormente. Neste caso, basta colocar um novo pedaço de papelão no tubo de PVC e colocar o sifão de volta na mesma área geral.

As armadilhas precisam ser verificadas em intervalos regulares para que os números sejam significativos. Uma vez por semana ou uma vez a cada duas semanas deve ser adequado. Certifique-se de registrar os números de maneira consistente. Por exemplo, como um número médio de besouros por semana para cada casa. Embora o número de besouros na armadilha não possa ser relacionado ao número por metro quadrado da casa, as mudanças na contagem das armadilhas ao longo do tempo são o que importa.

Inseticidas

É praticamente impossível eliminar esses insetos de uma casa com inseticidas. Eles são protegidos na cama e a própria cama pode ligar os produtos e reduzir sua eficácia. Leia o rótulo com atenção para obter instruções completas. Alguns produtos podem ser usados ​​como lixo para pisos, enquanto outros são apenas para sprays residuais nas paredes.

CUIDADO! As recomendações de pesticidas nesta publicação são registradas para uso em Kentucky, EUA SOMENTE! O uso de alguns produtos pode não ser legal em seu estado ou país. Verifique com seu agente local ou oficial regulatório antes de usar qualquer pesticida mencionado nesta publicação.

Claro, SEMPRE LEIA E SIGA AS INSTRUÇÕES DOS RÓTULOS PARA O USO SEGURO DE QUALQUER PESTICIDA!


Folha de dados do Darkling Beetle

O Darkling Beetle é um pequeno inseto minúsculo e, como o nome, eles adoram ficar em lugares escuros! Eles são onívoros e necrófagos também - então eles gostam de coisas como outros insetos mortos, plantas frescas e podres, folhas e fungos. Em algumas espécies de Darkling Beetle, as larvas são chamadas de larvas de farinha. Essas larvas de farinha são muito comuns como alimento para répteis de estimação, pássaros e peixes - então você já deve ter lidado com alguns desses besouros, apenas em sua forma de bebê! Darkling Beetles também podem ser bons animais de estimação para um amante de insetos - eles não mordem e são razoavelmente amigáveis, e com um cuidado simples e uma vida rápida eles podem ser um ótimo companheiro inicial. Embora tenham asas, os besouros Darkling não voam e podem extrair água de seus alimentos para que possam passar longos períodos com uma fonte de água.

Repartição Taxonômica:

Reino: Animalia Filo: Artrópodes Classe: Insecta Ordem: Coleoptera Subordem: Polyphaga Superfamília: Tenebrionoidea Família: Tenebrionidae


Fatos interessantes sobre Darkling Beetle

Que tipo de animal é o besouro escuro?

O escaravelho escuro é o nome comum dado à família Tenebrionidae, que possui mais de 20.000 espécies. O Tenebrionidae é um tipo de inseto.

A que classe de animal pertence um besouro escuro?

O besouro escuro pertence à classe dos Insecta com outros insetos, como a libélula e os vermes.

Quantos besouros negros existem no mundo?

Com mais de 20.000 espécies na família Tenebrionidae, é difícil estimar qual é a população desses besouros.

Onde vive um besouro escuro?

Este inseto se adaptou para viver em desertos e florestas.

O que é um habitat do Darkling Betle & # x27s?

A família Tenebrionidae consiste no tipo de besouro que pode ser localizado sob pedras, troncos em decomposição ou fungos de suporte. Algumas das espécies são diurnas e podem ser encontradas ao ar livre. Muitas espécies estão até adaptadas às condições do deserto.

Com quem vivem os escaravelhos?

O besouro escuro geralmente vive sozinho e não requer necessariamente uma colônia para prosperar.

Quanto tempo vive um besouro escuro?

Como mencionamos, os escaravelhos não são uma espécie e, portanto, cada espécie tem uma duração de vida variável. Mas, como regra geral, o besouro escuro vive mais do que outros insetos devido ao seu metabolismo mais lento. A maioria das espécies vive entre seis meses a dois anos, enquanto poucas podem sobreviver até 10 anos.

Como eles se reproduzem?

O ciclo de vida de um besouro escuro é fascinantemente categorizado em quatro estágios distintos. Os estágios são ovo, larva, pupa e adulto. As fêmeas desta espécie são prolíficas na postura de ovos e, ao longo da vida, podem botar cerca de 500 ovos.

Qual é o seu estado de conservação?

Embora a maioria dos escaravelhos não esteja sob ameaça de extinção, dois são considerados ameaçados e um, infelizmente, está criticamente em perigo.


Biologia e Comportamento

Os supervermes não são um verme, mas o estágio de larva (estágio imaturo entre o ovo e a pupa) do Zophobas Beetle, um tipo de escaravelho Darkling. Darkling Beetles é o nome comum para Beetles (abaixo de um grande grupo pertencente à família Tenebrionidae). Os besouros da larva da farinha amarela também são escaravelhos. Eles também são conhecidos como larvas da farinha super ou gigantes (nos referimos a eles nesta seção como larvas da farinha gigantes).

A larva da farinha gigante (Zophobas morio) é uma grande espécie tropical de larva da farinha que é popular como alimento para animais maiores, como peixes, répteis e resgate de vida selvagem. Eles são muito maiores do que a larva da farinha amarela, crescendo até aproximadamente 2 1/4 polegadas de comprimento (55 mm). Eles são originários da América do Sul e Central Tropical e requerem temperaturas superiores a 12 graus C para sobreviver e se reproduzir com eficácia. Eles nunca devem ser colocados na geladeira, pois podem matá-los, o que é uma prática comum para larvas de farinha amarelas.

Vida útil

O ciclo de vida da larva da farinha gigante compreende os seguintes 4 estágios distintos.

Eles podem ser separados para reprodução quando tiverem 5 cm de comprimento.

Reprodução

  • Ciclo de vida - a reprodução é sexual, com um macho sendo capaz de transferir espermatozóides suficientes para fertilizar todos os óvulos futuros. As fêmeas de larvas gigantes podem colocar de 400 a 500 ovos durante a vida.
  • As fêmeas podem ser distinguidas dos machos porque são maiores que o macho.

Faça buracos no recipiente de reprodução - precisam ser cobertos, a menos que haja controle de temperatura.

Caixas de armazenamento divididas e recipientes de filme de 35 mm funcionam bem para armazenar super-vermes em formação de pupas. Certifique-se de fazer furos de ar no recipiente. Coloque uma pequena quantidade de farinha em cada célula com os super vermes em formação de pupas.
Coloque o recipiente contendo super-vermes pupating em um local quente e escuro. Verifique o recipiente semanalmente e remova todos os super-vermes falecidos.
• Depois que as larvas se transformarem em pupas, você pode colocá-las no habitat do besouro.

Forneça cenouras como fonte de alimento e água para as larvas e besouros do superverme. Uma cenoura grande, cortada, alimentará várias centenas de larvas ou besouros por cerca de 3 dias (duas vezes por semana no mínimo)

A taxa de crescimento é aproximadamente a mesma que a lagarta da farinha amarela para o mesmo tamanho. Por exemplo, leva aproximadamente 10 semanas (3-4 meses) para uma lagarta da farinha gigante ir do ovo para 2,5 cm de comprimento, o que é o mesmo que uma lagarta grande da farinha amarela (a 25-28 graus). A diferença é que o estágio do worm cresce duas vezes mais e leva um adicional? semanas. Este é O estágio do besouro durará mais 8-12 semanas (2-3 meses).

Em temperaturas mais baixas, a duração pode aumentar significativamente. Clique aqui para mais detalhes:


Suprimentos necessários para uma fazenda de larvas de farinha

Em sua forma mais simples, uma fazenda de larvas de farinha é um recipiente ou série de gavetas preenchidas com uma camada de substrato e alguns pedaços de batata ou cenoura.

Comprando larvas de farinha

Mealworms geralmente podem ser encontrados em seu animal de estimação local ou loja de répteis. Eles também podem estar disponíveis em uma loja de artigos esportivos ou de pesca. Se você não tiver um por perto, eu uso e recomendo fazer o pedido no Rainbow Mealworms (economize 10% no seu primeiro pedido de larvas de farinha).

Comece com pelo menos 500-1000 worms. Quanto mais você começa, mais você pode usar imediatamente e mais rápido a população vai crescer.

Quando começo uma nova colônia, gosto de comprar 5000 minhocas.

Dica útil
Nunca compre larvas de farinha & ldquogiant & rdquo ou & ldquojumbo & rdquo para iniciar sua colônia. Esses são vermes regulares que foram alterados hormonalmente (geralmente borrifados com hormônios de crescimento juvenil para torná-los grandes, mas não pupar). Por terem sido modificados, eles nunca serão transformados em pupa.

O que alimentar larvas de farinha

A colônia de larvas de farinha vive em um substrato de farelo de trigo ou aveia. Embora seja comumente chamado de & ldquobedding, & rdquo mealworms usam isso como sua única fonte de alimento e para colocar seus ovos.

As larvas da farinha não podem viver na farinha ou em outros grãos de moagem fina, nem podem viver em grãos inteiros, como o trigo integral ou rachado.

Adicione pelo menos 2 polegadas, mas não mais que 8 polegadas do substrato ao seu contêiner ou bandeja.

Existem várias opções de substrato e tudo se resume à preferência pessoal e disponibilidade.

Farelo de trigo

O farelo de trigo é uma escolha comum para substratos de fazendas de larvas de farinha. Normalmente, você pode encontrar sacos de 22 kg de farelo de trigo na loja de rações (ou eles podem encomendá-lo para você).

O farelo de trigo é leve e não compacta, por isso é fácil para as larvas da farinha e os besouros se moverem nele.

Eu prefiro o farelo de trigo porque é mais fácil separar as larvas da farinha do substrato durante a colheita.

O farelo de trigo também é muito barato.

Aveia

A aveia também é uma excelente cama para fazendas de larvas de farinha.

Ao escolher a farinha de aveia, escolha a farinha de aveia simples (sem sabor).

Você pode usar qualquer tipo de aveia em flocos, incluindo aveia instantânea, aveia à moda antiga ou aveia Quick Cook. Evite a aveia cortada em aço, pois são muito grossas para as larvas da farinha e os besouros negros comerem.

A aveia se acomoda em uma camada densa que pode ser difícil para as larvas de farinha. Também é da mesma cor das pupas, dificultando sua localização e separação.

A aveia tende a ser muito mais cara do que o farelo de trigo e também é mais difícil colher larvas da farinha de aveia.

Dica útil
É mais fácil separar os vermes do farelo do que da aveia

Pupas são difíceis de ver na farinha de aveia

Orgânico

Sempre que possível, opte por farelo de trigo orgânico ou aveia.

As opções não orgânicas podem conter traços de pesticidas que podem matar ou impactar negativamente sua fazenda de larvas de farinha.

Terra de diatomáceas

Terra diatomácea (DE) às vezes é adicionada aos grãos de ração (e ração de galinhas) para matar insetos.

Sempre verifique o rótulo e certifique-se de que o substrato de sua escolha não contém terra de diatomáceas.

HIDRATAÇÃO

Embora os larvas de farinha usem o substrato para cama e comida, eles também precisam de uma fonte de água.

A melhor maneira de dar uma bebida a larvas de farinha é com um pedaço de cenoura ou uma fatia de batata.

Adicionar muita umidade borrifando o substrato ou usando frutas e vegetais aguados (como uma maçã ou morango) pode causar mofo.

As cenouras e as batatas são perfeitas para dar água às larvas da farinha sem que fiquem muito molhadas.

Cerca de uma ou duas vezes por semana, dê às larvas de farinha uma nova fatia de batata ou um pedaço de cenoura e jogue fora o antigo.


Vida útil

Minhocas que pássaros, répteis e outros animais amam não são realmente vermes. Eles são as larvas dos besouros negros. Existem mais de 20.000 tipos diferentes de escaravelhos e larvas de farinha da espécie Tenebrio molitor.

Um besouro escuro passa por metamorfose completa, o que significa que ele tem quatro fases distintas de vida. Os quatro estágios são ovo, larva, pupa e adulto. A quantidade de tempo que um besouro escuro passa em cada estágio pode variar muito devido a fatores ambientais como temperatura, umidade, comida e água.

Ovo
A primeira fase da vida é passada como um ovo. O ovo em forma de feijão branco é minúsculo e do tamanho de um grão de poeira. O ovo é pegajoso e rapidamente oculto por sujeira, poeira e substrato. Levará cerca de uma a quatro semanas para um ovo eclodir e a larva emergir.

Larva
O segundo estágio da vida dura cerca de oito a dez semanas e é passado como uma larva marrom. Este é o estágio em que o inseto é uma larva da farinha. Quando chocado pela primeira vez, é bem pequeno, mas crescerá entre 2,5 e 2,5 centímetros de comprimento.

Como tem um exoesqueleto rígido, o verme precisará mudar e se livrar de sua casca externa dura para crescer. A muda ocorrerá de dez a vinte vezes durante esta fase da vida. Um verme recém-mudado será macio e branco, mas o exoesqueleto irá endurecer rapidamente.

A larva da farinha passa seu tempo comendo e crescendo a fim de economizar energia para a próxima transformação.

Pupa
Durante a última muda de uma lagarta da farinha, ela se transformará em uma pupa branca semelhante a um alienígena. Não tem boca nem ânus, por isso não se alimenta. Ele tem botões nas pernas e nas asas, mas eles não funcionam. A pupa está completamente indefesa e o único movimento que ela pode fazer é se mexer. Este estágio da vida dura de uma a três semanas, enquanto a pupa transforma seus órgãos e corpo em um adulto.

Adulto
O estágio final da vida do inseto é como o besouro escuro e dura de um a três meses. O besouro será branco com um exoesqueleto macio. Conforme a camada externa endurece, ela ficará marrom e depois preta. O besouro tem asas duras, mas não consegue voar.

Após cerca de uma a duas semanas de vida adulta, os besouros começarão a acasalar e se reproduzir. Poucos dias após o acasalamento, os besouros fêmeas enterram-se no solo ou substrato e colocam ovos. Os escaravelhos são criadores prolíficos e as fêmeas podem botar centenas de ovos durante a vida adulta.


Besouro escuro

Besouro misterioso
Local: Casa Grande, AZ
27 de julho de 2010 7h47
Eu encontrei este besouro andando pelo chão no trabalho. Não parece voar e se move muito lentamente. Gosta de se fingir de morto. Ele pode virar-se facilmente com suas pernas longas. Ele fez algo parecido com uma parada de cabeça uma vez, mas não liberou nenhum cheiro desagradável ou agente de formação de bolhas, então não parece ter esse tipo de defesa.
A parte inferior do abdômen é lisa, enquanto a parte superior do abdômen é coberta por pequenas saliências. As antenas são curtas, divididas em segmentos minúsculos, em forma de V, uniformes e consistem em um único filamento sem ramificações. As mandíbulas são pequenas e há pouca ou nenhuma lacuna entre elas e a cabeça.
Aqui estão algumas fotos com uma régua para escala. Na imagem da parte superior do besouro, você pode ver os lados em polegadas e mm da régua. A imagem do lado inferior mostra apenas o lado em polegadas da régua.
Vocês sabem o que é isso? Disseram-me que eles são bastante comuns, mas nunca vi um antes e ninguém sabe como são chamados.
Matt

Atualizar: Acho que resolvi isso sozinho olhando mais alguns
fotos em seu site. Existem muitos tipos de besouros. I & # 8217m
99% de certeza agora, mas gostaria de receber uma confirmação.
Besouro fingindo morte
Espécie Cryptoglossa variolosa
2009/08/31 / ironclad-beetle-12 /
http://bugguide.net/node/view/148169/bgimage
Parece que tem um nome adequado. Ele parecia morto sempre que eu chegava perto
isto. Observe que este estava originalmente coberto de areia ou poeira, dando
é um aspecto esbranquiçado, como vejo em muitas outras fotos. Este
tomou um banho antes da sessão de fotos, e é por isso que é totalmente preto. Isto
foi então libertado, evitando carnificinas desnecessárias.
Matt

Oi Matt,
Seu besouro é um besouro Darkling da família Tenebrionidae, mas estamos tendo problemas para combiná-lo com uma espécie. É muito semelhante a
Asbolus verrucosus, que é retratado no BugGuide, embora essa espécie pareça ser cinza enquanto seu espécime é preto.

P.S. O Death Figning Beetle que você citou pertence à mesma tribo, Centriopterini, que o Darkling Beetle que citamos. Verificaremos com Eric Eaton para ver se ele pode fornecer uma resposta conclusiva.

Observe que este besouro era inicialmente cinza / branco. Se for como
algumas das fotos que eu vi, que branco ou cinza pode ser areia ou poeira
ou algo semelhante. Este besouro foi inicialmente coberto por algo
que foi lavado. Na verdade, temos muita poeira branca (especificamente
lucite, uma poeira branca de partículas de plástico) no trabalho perto de onde encontrei
isso, então esse cara tomou um banho antes de eu tirar sua foto porque eu pensei
tornaria mais fácil identificar corretamente. Isso pode explicar a cor
diferença. Dito isso, há muita poeira comum do lado de fora. Esse
afinal, é um deserto. Não sei se tinha lucite ou algum
outra poeira. Há muita poeira por aqui para saber.
DEFINITIVAMENTE tenta fingir a morte, embora (embora eu perceba que
outros besouros podem fazer isso). A primeira coisa que fez quando o examinei
era virar e ficar imóvel por vários minutos.
Infelizmente, já liberei o espécime. Para referência futura,
de quais partes eu deveria ter tentado tirar uma boa foto? eu não
já não tenho aquele guia de identificação de besouro que meu professor de biologia tinha anos atrás, mas
Lembro que me obrigou a fazer coisas como contar o número de segmentos
na perna do besouro & # 8217s (e para procurar cuidadosamente por segmentos ocultos). eu
tentei encontrar algum tipo de guia útil como esse online, mas não tinha
sorte. Foi quando encontrei seu site.
Matt

Oi de novo Matt,
Obrigado por responder com informações adicionais. Como dissemos antes, estamos esperando que Eric Eaton volte a falar conosco. Os tipos de detalhes que ajudam a identificar os besouros são as antenas e as pernas. Acreditamos que haja detalhes suficientes em suas fotos para que alguém com habilidades de identificação mais refinadas, como Eric Eaton, seja capaz de identificar seu besouro. Por favor, seja paciente e veja que tipo de resposta recebemos.

Sem pressa. Eu apenas pensei em informá-lo de que era branco e poeira
coberto antes, visto que a coloração estava confundindo você.
A propósito, se você quiser ideias para conteúdo futuro para o seu blog,
considere dar dicas sobre como obter boas fotos (e quais partes
são importantes para mostrar em detalhes). Tive que tirar dezenas de fotos
antes de eu pegar qualquer coisa, exceto uma mancha preta. E meu & # 8220ruler & # 8221 parece estranho
porque na verdade foi um PDF que imprimi, porque não
tenho uma régua à mão (ou melhor, a régua que eu tinha era de metal e também
brilhante para ser legível quando fotografado.
Matt


Gestão

Uma variedade de metodologias para ajudar a controlar a presença de A. diaperinus, e seus impactos nas aves foram examinados. Populações ativas de besouros em esterco ou cama podem ser monitoradas utilizando uma variedade de métodos de amostragem, incluindo funis de Berlese e armadilhas de tubo (Safrit e Axtell 1984 Stafford et al. 1988). Os edifícios também podem ser inspecionados contando larvas em paredes e postes no início da noite e o isolamento "sentinela" pode ser colocado em paredes e postes e monitorado para orifícios de entrada em uma base regular (Geden e Hogsette 1994).

A identificação e o teste de agregação e feromônios sexuais podem levar a métodos de monitoramento mais eficazes e ao desenvolvimento de iscas mais eficazes. Comportamentos de liberação de feromônios de A. diaperinus foram examinados por Falomo (1986). Geden e Hogsette (1994) recomendam várias necessidades de pesquisa de componentes básicos e de controle para um controle menor de larvas de farinha. Uma série de diferentes medidas de controle são garantidas em uma abordagem bem-sucedida de controle de pragas.

Controle biológico

Vários inimigos naturais do verme da farinha menor foram encontrados, mas não há opções de controle biológico atuais para A. diaperinus. O fungo patógeno Beauveria bassiana (Balsamo) Vuillemin é a maior promessa para um maior desenvolvimento como agente de controle biológico. Geden et al. (1998) relataram que as larvas eram altamente suscetíveis a cepas epizoóticas naturais de B. bassiana isolado de A. diaperinus. Formações granulares de B. bassiana cepas forneceram 60 a 90% de supressão em larvas de larvas de farinha de pequeno porte (Geden e Steinkraus 2003). Numerosos estudos sobre a variação genética de B. bassiana e A. diaperinus populações foram conduzidas (Castrillo e Brooks 1998 Castrillo et al. 1999). Infecções naturais por protozoários em A. diaperinus examinado por Apuya et al. (1994) sugerem que eles podem ser um fator importante e negligenciado na regulação das populações de insetos.

Os nematóides Steinernematídeos não parecem fornecer controle de longo prazo ou podem ser significativamente eficazes em apenas um estágio de vida (Alves et al. 2005 Geden et al. 1987 Szalanski et al. 2004), embora testes adicionais de uma série de diferentes espécies e cepas pode ser garantido.

O conteúdo da teia de duas espécies de aranha foi encontrado para ter um alto número de A. diaperinus adultos no Brasil (Rossi e Godoy 2005). Rossi e Godoy (2005) sugerem que a predação natural por aranhas em aviários deve ser quantificada em estudos futuros para uso em combinação com outros agentes de controle biológico. Geden e Hogsette (1994) recomendam que pesquisas adicionais de populações de besouros tanto nos Estados Unidos quanto na área de vida original do verme da farinha menor sejam conduzidas para descobrir novos agentes de controle biológico.

Controle Químico

Várias formulações de carbaril são registradas para uso contra a lagarta da farinha, incluindo pós molháveis, poeiras, líquidos pulverizáveis ​​e iscas. Vários piretróides estão registrados e têm sido usados ​​como tratamentos de premissa (Geden e Hogsette 1994 Salin et al. 2003), e o ácido bórico está disponível como um tratamento de solo e premissa em alguns estados (Geden e Hogsette 1994). O hidrato de cal (hidróxido de cálcio) proporcionou aumento da mortalidade entre adultos e larvas A. diaperinus no laboratório, mas não foi avaliado em campo (Watson et al. 2003).

Nenhum dos inseticidas disponíveis atualmente fornece controle satisfatório quando as populações de besouros estão em níveis de surto. Alguma resistência a inseticidas também foi observada (Lambkin 2005). Os produtos adulticidas (piretróide: ciflutrina) e larvicidas (regulador de crescimento de insetos: triflumuron) combinados mostraram algum controle, mas dependiam das características de construção e das práticas de manejo. Embora minhocas menores pareçam ser suscetíveis a muitos inseticidas residuais, a eficácia dos tratamentos no local pode ser limitada pelo acúmulo de poeira nas superfícies tratadas (Despins et al. 1991) e pelos níveis de esterco em edifícios.

Controle Cultural e Mecânico

Utilizado em conjunto com outras práticas de controle, outro método importante usado para gerenciar ou suprimir A. diaperinus surtos é uma medida de controle cultural ou mecânico. O clima frio é um método de controle cultural simples para os produtores nas localidades do norte, já que a maioria dos besouros pode ser eliminada expondo-os a temperaturas abaixo de zero por uma semana ou mais, bem como removendo o estrume nessas ocasiões. No entanto, temperaturas abaixo de zero podem danificar canos e matar pássaros.

A limpeza frequente de estrume ou remoção de cama e substituição de aparas frescas em aviários podem ajudar a reduzir significativamente as populações de besouros (Geden e Hogsette 1994 Hinton e Moon 2003). A remoção frequente de estrume dos sistemas de camada em gaiola também elimina os problemas com os besouros. Metodologias de aplicação de esterco em campos agrícolas para suprimir populações de larvas de farinha menores foram examinadas por Calibeo-Hayes et al. (2005) e Kaufman et al. (2005a).

Alguns tipos de isolamento são mais resistentes a danos de escavação causados ​​pelo verme da farinha menor e barreiras mecânicas podem ser usadas para evitar que os besouros atinjam construções de edifícios suscetíveis (Geden e Carlson 2001 Kaufman et al. 2005b).


Raising Mealworms:

Eu não diria que criar larvas de farinha é DIVERTIDO, mas não é muito difícil e pode economizar muito dinheiro.

Dicas rápidas para produtividade máxima:

  1. Coloque larvas de farinha grandes em um recipiente raso de plástico para suéter. Faça um buraco na parte superior para ventilação e use uma pistola de cola quente para colar a tela da janela e manter os bichos e as mariposas do lado de fora.
  2. Adicione 2-3 & quot de roupa de cama / comida:
    • farelo de trigo, ou uma proporção de 3: 1 de farelo de trigo para leite desnatado em pó, ou
    • 4 camadas: 1/4 & quot camadas de purê de frango (não medicinal) separadas por camadas de estopa ou jornal, ou
    • 10 partes de grãos de aveia ou trigo, 10 partes de farinha de trigo integral, 1 parte de gérmen de trigo ou leite em pó e 1 parte de fermento de cerveja.
  3. Para a umidade, adicione uma pequena rodela de repolho ou meia batata. Coloque-o em cima de uma tampa de plástico ou jornal para manter a roupa de cama seca. Substitua os vegetais pelo menos uma vez por semana ou se estiverem mofados.
  4. O ideal é manter em torno de 80 graus Celsius (a temperatura ambiente também está boa) e cerca de 70% de umidade relativa. Use uma esponja umedecida em um recipiente aberto / saquinho (com o lado aberto para cima, acima dos grãos) para umidade adicional.
  5. Periodicamente (por exemplo, a cada 1 a 2 semanas) peneire os besouros da cama que conterá os ovos / minhocas. (Os besouros podem comer os ovos.)
  6. Quando as minhocas estiverem grandes o suficiente, peneire os excrementos (resíduos) e a cama uma vez por mês, descarte no jardim, lave e seque o recipiente, devolva as minhocas e acrescente novos alimentos.

Os pássaros azuis gostam de larvas de farinha, que são as larvas do besouro escuro (Tenebrio molitor Linnaeus, também chamado de larva da farinha amarela ou larva dourada). Os pássaros azuis comem larvas (vermes), pupas e besouros (antes que a casca endureça), mas preferem a forma de verme.

Você pode comprar larvas de farinha em uma loja de animais (caro - o preço depende da quantidade, mas cerca de US $ 25 / 1.000) ou pelo correio (mais barato - cerca de US $ 6-16 / 1.000 - consulte a lista de fornecedores). Você também pode aumentá-los (talvez por apenas 0,10 / 1.000).

Criar larvas de farinha é bastante fácil porque essas criaturas são os insetos equivalentes a uma erva daninha. Economiza muito dinheiro e é interessante, mas eu não classificaria como diversão de longo prazo. Requer paciência, pois leva meses para começar (cerca de 3 meses para os primeiros besouros, dependendo da temperatura e do tamanho dos vermes iniciais). Também requer disciplina para fazer a colheita, separação, substituição de alimentos, limpeza de resíduos, etc. Algumas pessoas pensam que não vale a pena se preocupar.

Uma colônia de larvas de farinha não cheira se bem cuidada. (Dead mealworms and crapped up bedding material reek.) Mealworms don't carry any diseases harmful to humans, although one study indicated that they may act as an asthma sensitizing agent. One farmer indicated she experienced severe upper respiratory infections after handling mealworms and was concerned there might be a connection. She then used a mask and gloves when handling them, but eventually decided to abandon farming. Another had what appeared to be an allergic (respiratory) reaction to the farm - possibly the frass (but not to mealworms stored in a refrigerator.)

Timetable and Life cycle : Tenebrio molitor have an egg, larva, pupa and beetle stage. Depending on food and temperature, it takes about hundred to several hundred days for them to complete their life cycle. Therefore, if you want worms in the spring, start your colony in November or December. For each 20 beetles, you should get about 350 adult mealworms in 200 days. Here is the life cycle if the colony is kept at room temperature (

72 F.) I found it took much longer for the pupa to convert to the beetle stage.

Estágio Time*
Egg Incubation 4-19 days (usually 4-7). Another source says 20-40 days
Larva 10 weeks. Visible after about a week
Pupa 6-18 (18-24?) days
Beetle and Egg Laying 8-12 weeks (followed by death). Egg laying starts 4-19 days (average 12) after emergence

* time depends on temperature, relative humidity, food, etc. Different sources report different time frames.

Stock : Get at least 100-1,000 large mealworms from a mail order supplier or pet store or from feed, grain, or meal in a barn/granary.

Fazer não buy "giant" mealworm for breeding, as they may have been treated with an insect growth hormone to discourage them from morphing into beetles, so they will grow larger. If giant mealworms do morph into beetles, they will be sterile.

To jump-start your farm, ask you local pet store if they have any adult beetles you can get.

Container : As long as the larvae are 1" or more below the top of the container, they can't get out. Mealworms may thrive more in a container with a large surface area. Some people keep the container(s) in a laundry room, garage or basement.

A clear container will let you see how much frass (waste) has accumulated. Use a shallow (e.g., 2-5 gallon capacity, 6-10" deep x 24" long, or 10" x 17" x 6") plastic container. A shoe box size or sweater storage container (Rubbermaid, Sterilite, etc.) will suffice. A pail can also be used. If you are going to separate the stages, a four drawer container like the kind found at Wal-Mart or Target can be used. A 64 quart Rubbermaid container holds 50,000 to 100,000 larva. L Cooksey found that a smooth bottomed container doesn't get as moldy as a container with ridges on the bottom.

Some people use wooden containers, but if the sides are too rough, the worms may be able to climb the walls.

A larger surface area may improve survival by dissipating heat. Too many worms stored in too small a container will overheat and die (e.g., 5,000 worms in a 2 gallon pail=dead worms.) The mealworms should probably be only 3-4" deep.

Ventilation and Cover : Ventilation prevents mold growth. Darkling beetles do have wings, but can't fly. Some commercial farmers do not cover their bins. Since mice, rats, cockroaches and some spiders will eat mealworms, the container should be kept closed. (One bluebirder in Texas found a scorpion in with her mealworms!) A tight fitting cover will also keep flour and grain moths out. Opções:

  • If the container comes with a plastic cover, drill holes in it. If condensation forms on the inside of the lid, you need more holes.
  • Cut a section out of the middle of the lid and use a hot glue gun to glue some fine window screening material to the inside of the lid, around the hole.
  • Make a cover for the container out of window screening.

Temperature : The ideal temperature to maximize growth is 77-81ºF, but

72-74ºF is also good. Mealworms do reproduce in temperatures ranging from 65-100 F, but temperatures above 86ºF negatively impact growth and development (inhibiting pupation). The duration of the pupal stage will depend on temperature. It is six days at 91.4ºF, seven days at 80.6ºF, ten days at 75.2ºF and thirteen days at 69.8ºF.

Temperatures below 62ºF may halt reproduction. In cold temperatures the larval stage can last two years. Chilling worms and then re-warming them may significantly delay pupation. Prolonged exposure to temperatures below 40ºF may kill the worms.

I am using a 500 watt rheostat controlled ceramic reptile heater suspended over the container to keep temperatures high enough in my drafty home. The heater is in a metal hood, and sits on top of the Rubbermaid container, on a circular metal window screen hole. Because it dries everything out, I put the cabbage/potato wedges underneath fabric, and have several plastic containers filled with water sitting on top of the bedding.

Light : Consistent with the name darkling beetle, they prefer the dark. Mantenha o recipiente longe da luz solar direta. However, one source indicated that if mealworms develop faster when provided with light. To obtain a supply of adult beetles in the fall, the usual hibernation period of the dark mealworm (a different species) can be prevented by exposing the fully grown larvae to continuous light.

Moisture and Relative Humidity : Mealworms do require moisture. Too little moisture slows growth and reduces size. Muito pode produzir mofo. Se as larvas receberem alimento seco, elas podem sobreviver e produzir uma geração por ano. If they are provided moisture, they will undergo six generations per year and will be fatter.

Beetles lay more eggs when the relative humidity is higher - ideally 70% (55-80% is good). In one experiment, at a relative humidity (R.H.) of 20%, beetles laid an average of 4 eggs each, but at 65 percent R.H., they laid an average of 102 eggs each.

Adult worms also become more active between 90 - 100% R.H. Keeping the culture moist also prevents cannibalism. More is not better. If you put too much in, or leave it too long, it will get moldy or become a gooey mess.

  • Add a chunk of cabbage, raw potato (half a potato, or a chunk about 1"x3"), a slice of bread (which the mealworms will also eat), romaine lettuce, kale (high in calcium and inexpensive), yam (also nutritious) or apple slices (1/4 of an apple is enough for 1,000 mealworms, once or twice a week - I find apples get moldy too quickly). Some people use celery (e.g., bottom end of bunch), broccoli stems, carrots (grated carrots on a plastic lid), banana peels, or asparagus chunks. Cabbage leaves do not get as moldy as some other choices. Cover cabbage etc., with a cloth to keep it from drying out if you use a heat lamp. A crust of bread (replaced when dry) can also be laid face down on the bedding. You may wish to wash/peel vegetables first to prevent the introduction of pesticides.
  • Place potato/apple slices cut side up, even with top of bedding. By putting the skin side down, you keep the bedding/dry food from getting too moist.
  • Try kiwi skin with about 15% of fruit still in it (after scooping out the rest with a spoon for your own enjoyment). SOU. Prendergast found that it made mealworms grow about 3 times fatter and 30% longer in just 2-3 weeks versus wheat bran alone. The worms also use the skin as a "cave" as it dried and curls up.
  • To make them easier to replace (every 2-3 days or weekly), put vegetable on a little plastic lid, tinfoil pie plate or a piece of cardboard, or stick a toothpick in it. Replace immediately if mold appears.
  • If you use burlap or newspaper, you can spritz it lightly with water on a daily basis. Do not soak, and do not wet bedding. You can also put in a moist (not wringing wet) paper towel, changing it daily. You can put down a piece of aluminum foil under the dampened burlap/paper to prevent grain from getting wet.
  • You may not want to use Fluker's "Cricket quencher," a gel polymer that insects suck water out of - one person raising mealworms experienced a massive beetle die-off after introducing it, but the issue may also have been a bark log tunnel she introduced (purchased a PetSmart.) Fluker instead recommends a Fluker Orange Cube.
  • Small amounts of moist cat food (like Tender Vittles) can also be used, and will provide extra protein.
  • Placing adult beetles on moist blotting paper overnight may increase egg production.
  • Put a moist sponge INSIDE a plastic baggie (open) and lay the baggie on the bedding.
  • Place a small but tall (so they don't drown) bowl filled with water in the middle of the farm to increase relative humidity. A sponge can be placed in the bowl to increase the moist surface area. Fawzi Emad uses a moist sponge wired to the container lid. You can also put the bottom of the sponge in a plastic baggie (to prevent the meal from getting wet and moldy) and stand it upright in the corn or oatmeal. Re-wet the sponge weekly, and wash it when needed.

Food /Substrate/Bedding : The more nutritious the food, the more nutritious the mealworms will be. Layer it in 2-3" inches deep. Replenish the food often, as the worms eat a lot. Change the food out about once a month. Feed the beetles too (same stuff). I mix up a big batch with supplements and store in it a plastic bin with a screw top lid so I don't have to worry about flour moths and other critters getting into it.

Fine particles (fine wheat bran, corn meal, chick starter) make it easier to sift out large mealworms. Larger particles (e.g., rolled oats) with larger worms make it easier to sift out frass so you don't waste food. Newly hatched worms are so tiny that they will go through a screen with the frass. See cleaning.

You can buy some of the food items from an animal feed store or bulk food store. Commonly used food sources are listed below. They will also eat corn cobs (hiding inside):

  • wheat bran, red and/or white (about $7.00/20 lb. bag at a feed store) or chaff. Coarse or fine. Put it in 1.5-2" deep. Preferred by some breeders.
  • rolled oats (oatmeal - uncooked, old fashioned - not instant. I don't like using oatmeal as it is difficult to sift out the worms).
  • oat bran
  • cornmeal (not cornSTARCH)
  • chick (poultry - chicken or pheasant & turkey) starter/mash - very nutritious. Available from a feed store. Get NON-MEDICATED. You can put it in four layers each of 1/4" of mash covered by burlap. Easy to sift. 55 lb. bag costs about $11.
  • ground dry dog or cat food encourages pupation. It can also be given to worms prior to offering them to birds to increase protein content.
  • leftover low sugar cereal
  • birdseed (e.g., milo)
  • wheat flour (whole wheat for added nutrition)
  • grain mixture:
    • 10 parts oat or wheat kernels, 10 parts rolled oats (oatmeal) or whole wheat flour 1 part wheat germ or powdered milk and 1 part brewers yeast.
    • 10 parts wheat feed, 10 parts rolled oats, 2 parts brewers yeast
      rolled oats 10 ounces.

    A few scraps of cloth or wrinkled paper layered with the bedding will prevent the meal from packing too solidly.

    Supplements : You can add the following to the dry food/bedding: wheat germ, finely ground egg shells or cuttlebone (for calcium), soybean meal, Wombaroo insectivore mix, fish flakes, fine mouse cubes, bone meal, graham (whole wheat) flour, and dry brewer's yeast ( provides proteins and trace elements essential to the insects' growth and makes larvae grow more. Brewer's yeast can be obtained at health food stores. It's pricey, so you might want to buy it in bulk at a feed store or online . You can sprinkle the vegetables/fruit with calcium and vitamin supplements to add nutritional value. Experiments where skim milk (calcium source) was added to wheat bran (1:3 or 1:2 ratio) yielded better growth than wheat bran alone.

    Cloth or newspaper covering : You can partially cover the food surface (about 2/3) with several layers of newspaper, brown grocery store bags, paper towels, or a folded piece of cloth. Leave space between the paper and edges of the container.

    Worms will crawl between the newspaper layers to pupate, which makes it easy to collect them.

    The beetles will lay eggs on cloth. However, it is difficult to get the beetles off the cloth when maintaining the farm. Beetles will also lay eggs directly on the food source. Or you could put thick, clean, dry hunk of bark on top of the bedding. The beetles will lay eggs on it.

    Separating out worms : To remove worms to offer to birds or to separate them from eggs and beetles you can:

    • use a stainless steel sifter
    • put a sheet or newspaper or grocery store bag or a plastic lid on top of the colony. The worms will crawl under it in a few hours. Repeat until you have taken all worms out and then replace the bedding.
    • hold back on moisture for a couple of days. Then put a lettuce leaf, moistened piece of bread, or damp Bounty paper towel or blue paper shop towel (rung out - re-wet and ring out as needed) in the container on top of the bedding. The larva will cover the bread or lettuce. Shake them into a container until you get what you need.

    Cleaning : Remove dead mealworms or dead beetles. Dead larvae turn black. Dead pupae turn brown and shrivel up. Deformed beetles die early. Other dead beetles stop moving and their antenna crinkle up.

    Frass: As the mealworms consume the bran, a fine, dusty or sandy residue will settle out on the bottom. Eventually, shed exoskeletons and waste products (frass) will build up, and a slight ammonia odor may be detected. That means it's time to sift the grain to separate the worms and adult beetles (don't throw out tiny larvae or eggs) wash the container, add new grain, and return the worms to the container. You'll probably need to do this at least 3 times a year. If the frass builds up too much, mealworms may turn gray and get black stripes and then die.

    The frass (waste) can be used as fertilizer for flowers or vegetables. You might want to save the frass in a separate container for a bit and put some lettuce/cabbage to see if there are any mealworms you can separate out.

    The reason you need to sift out the beetles is they may eat the eggs.

    Sifters: You can make a sifter with #8 (1/8") hardware cloth or nylon reinforced screen tacked onto a wooden frame. If a sifter is made to fit in the bottom of the mealworm container, the frass will fall through the sifter, making it easier to clean the container. The fine hardware cloth may be difficult to locate (try a hardware store), but you can also buy a wire mesh basket from an office supply store, or use a device like a Double Over-the-Sink Colander with extendable arms (available at Linens N Things).

    Colony "Cycling" or Maintenance : Some farmers leave worms, beetles and eggs all together in one container. If you do not separate them, do not change the bedding after the worms turn into beetles, as it contains eggs of future worms. Leave the bedding until you can see and sift out the small mealworms. You really should go through the entire farm about 3 times a year to separate out the beetles into their own container and add fresh bran. Too many adults in the container can eat eggs and reduce the colony's production.

    Others farmers separate them out, since larvae and beetles might chow on the inert pupal stage, and beetles may eat pupa/eggs. If you start a new culture every 2-4 weeks, you will always have all life stages, they will be about the same age, and you won't run out of worms.

    To separate the beetles out, you can catch the live ones easily by providing apple slices. They swarm to the apple - just lift it and shake off swarm after swarm. The handful that are left are easy to pick up/spoon out as they surface.

    • The best set up may be to have two containers that fit inside one another. Put the beetles in Container A, and put small holes (smaller than beetles, bigger than bran) or screen the bottom of that container. Sit Container A inside Container B. Every 2 days to 2 weeks, shake out the bran (with eggs) out of Container A into Container B. The beetles stay behind. Add more food and moisture sources as necessary to A as necessary. Once you've collected enough bran and eggs in the B, transfer the contents to a "nursery" container (Container C) with a source of moisture and let it sit for 30-40 days, and start over again. You can cover Container C bedding with a piece of newspaper or cloth that is spritzed lightly with water on a daily basis. I don't know how well this set up would work if you have a cloth with the beetles on it, as they may be laying eggs on the cloth.
    • Use three or more containers. Container A can be a big Rubbermaid bin with a lid. Contain ers B and C can be open shoe box size containers that sit inside of Container A. Or you can use the multi-drawer stacked containers, or simply three separate containers.
      1. Pull pupae out by hand of Container A (it only takes a few minutes if you do it every 2-3 days)
      2. Put pupae in Container B (no food needed.)
      3. Let adults emerge before disturbing. Pick out the beetles out of Container B every couple of days (you can use a spoon) and put them in Container C with some bran and folded cloth they can lay eggs on. They are easy to see because unlike the pupae they have wiggling legs.
      4. After 2-8 weeks, take the beetles out of Container C and feed them to the birds/discard. Periodically remove any dead beetles.
      5. Let the eggs in Container C hatch. For the first couple of weeks/months you can hardly see the larvae. Tens of thousands fit in a shoe box size container. Disturb the culture as little as possible during this phase.
      6. When they are big enough to sift out from the grain, separate larvae out with a sieve or by hand and put them in Container A or more containers if you want to sort by age and size.
    • One person has a simple set up in a collection of 12 used takeout containers, each about 5"x7"x3" deep. The beetles are in the first one. Every couple of weeks she sifts the egg-containing bran and beetles into two separate clean empty containers. Four or five months later this provides a batch of mealworms that are pretty much all the same size.

    Storage : Worms that you don't want to reproduce can be kept in a closed container (with holes drilled in it) in the refrigerator. Lay a paper towel on top to prevent condensation. At 38ºF, or even 45-50ºF they will last along time (months) in a semi-dormant mode. One source says larvae can stay alive 80 days at 23ºF. They will not pupate in the refrigerator. See more information on storage.

    Freeze Roasting : Here is the technique Jeff Kellogg uses to freeze dry mealworms. Roasted mealworms do not require refrigeration, and should last more than a year.

    1. Get 10,000 large mealworms
    2. Put them in two large plastic containers on arrival and put them in the freezer.
    3. Once frozen and dead, heat up the grill on the lowest setting.
    4. Put the mealworms into a large disposable aluminum roasting pan, after sprinkling some corn meal into the bottom of the pan. This prevents them from sticking to the bottom.
    5. put them on the grill, close the lid, and let them sit there for about 4-5 hours.
    6. Again, put the grill on a very low setting (maybe only one burner on low) and shake them up every so often. They will turn brownish, but once they're cooked, they won't turn black and disgusting if left out in warm weather.
    7. Once cooked, put them back in the freezer and use them as normal. No smell, no feeding, no problem.

    Do not use a microwave. If you cook them indoors in the oven, it gets a little smelly.

    Dusting : You can "dust" the outer part of mealworms with powdered mineral or vitamin formulations (e.g., Powdered Calcium [Ca2+] or calcium-vitamin combinations) prior to feeding it to an animal. Put larvae or beetles in a baggie, and gently shake them to coat them with the mineral-vitamin powder. Shake off excess before feeding to animals.

    Uses : Mealworms are a good source of high quality protein. Some people do "gut loading" (offering extra food or protein to the mealworms) two days before feeding to animals. Larvae have a relatively hard exoskeleton made up of indigestible proteins and chitin. Recently molted mealworms may be softer and more digestible.

    You might consider selling excess worms to a local pet store or a zoo. If you sell them, count out 100 mealworms by hand and weigh them on an accurate postal scale. Then figure out what the weight is for whatever quantity you are selling.

      - caged and wild. Includes many songbirds and chickens, turkeys, guinea fowl, peafowl, quail, chukar, pheasant, and domestic ducks. Small birds like finches prefer 0.5" size (worms 4-6 weeks old). One source indicates that because of their high fat content they should not be fed as a main part of any diet.
  • Excellent fish bait. Mealworms last on the hook longer than many other kinds of live bait. They are one of the best baits for bluegill, perch, trout, whitefish and many pan fish, and for ice fishing.
  • Tropical fish. They especially enjoy newly molted larvae.
  • Turtles (aquatic turtles of all sorts, box turtles, tortoises), reptiles (sailfin lizards, chameleons, fringe-toed lizards, basilisks, water dragons, basilisks, anoles), frogs (e.g., dart), toads, salamanders and newts. See dusting - it's a good idea to dust mealworms fed to desert or basking reptiles with a vitamin D3 precursor and a calcium supplement like Calsup®, especially when D3 light lamps are not used.
  • Small mammals, e.g. mice, hedgehogs, shrews, sugar gliders, moles, voles, marmosets, bats, rats and other insectivores.
  • Scorpions, praying mantis, centipedes, large insectivorous spiders, etc.
  • Human consumption. Yes some people actually eat them. Freeze for 48 hours first. They will keep in the freezer for a few months if they are properly wrapped in airtight bags or containers. Rinse under running water before cooking. They can also be dried in the oven, and used in place of nuts, raisins and chocolate chips in many recipes. See examples.
  • Science experiments for school children. (Red Nova and Leaping from the Box)
  • Nutritional Value: (Source: http://www.dbs.nus.edu.sg/research/fish/livefood/mealwm.html)

    Note: Grubco's analysis was 62.44% moisture, 12.72% fat, 20.27% protein, 1.73% fiber, 1.57% ash, 133 ppm Ca, and 3345 ppm P.

    • I have found that sometimes after the worms turn into pupa, they fail to morph into beetles. I wonder if this is due to a moisture or temperature issue.
    • Darkling beetles live about three months maximum. (See timetable). If many die all at once, maybe the colony population is synchronized (all about the same age.)
    • If the moisture has been too high, there is the risk of fungal contamination. Continue putting beetles into two or three different containers, to ensure that at least one batch is always under good conditions and to minimize large die-offs.
    • (Thanks to L Cooksey for getting this information from Professor N. C. Hinkle, Dept. of Entomology, Univ. of Georgia)

    Problems with mites : Sometimes a mealworm colony gets infested by grain mites (Acarus sp.) The mites may come from the mealworm supplier, in bran, or litter from poultry production, and may infest a colony that has been around for a long period of time. Excessive moisture + heat may be a contributor. They are prolific breeders (800 eggs/female) and can withstand temperatures of 0 degrees and still hatch when brought to room temperature. (Another species that can be a problem is the mold mite, Tyrophagus sp.)

    The mites are tiny and round, whitish or tan in color, and have eight legs. They may cling to air holes and look like very fine sawdust. Mites can not fly.

    If your colony does become infested, the mites will kill the larvae and adults. Destroy the colony (e.g. by freezing) and start over. Para evitar mite infestation:

    • Jack Finch recommended sterilizing all bran/grain (by microwaving it or placing it in a subzero freezer for several days) anterior to adding it to a colony to prevent mite introduction.
    • Use only wheat middlings/hulls.
    • Create a moat. Place mealworm containers up on legs, and sit the legs inside small glass or plastic jars filled with water or glycerine (which won't evaporate like soapy water does). This will also keep ants out.
    • use a Vaseline band (a 2" wide band on the outside of the container just after you wash and dry it) to prevent mites from getting into a worm bed.
    • Blaine Johnson thought using apples and potatoes as a moisture source may have connected to a mite problem he had, and switched to carrots.
    • Store grain that will be used in the future inside tightly sealed containers.
    • Kees Van Epenhuijsen (an entomologist from New Zealand) said they achieved 100% mite mortality by using an acaricide paint (Artilin.) Place mealworm containers on top of a piece of plywood painted with the acaricide. This product is NOT available in the United States. Products used to protect beehives from mites (stinky strips put at the entrance to hives) and fumigants (which contain thymol, methol and eucalyptus oil) are too volatile to be used indoors and have no residual action. (I wonder if eucalyptus leaves would work?)

    Problems with moths : Brown moths (typically Indian Meal Moths, a common pantry pest that infests birdseed and cereal) may be attracted to the mealworm bedding. If they get into the farm, they make a sticky web almost like cotton candy. To prevent this, some people store farms outdoors during warmer weather. I put individual containers inside a larger bin with a screen hot-glued to the top. A "pantry-pest" trap using pherhormones can be used to trap adult moths. Microwaving cereals (e.g., 2 minutes), or freezing birdseed and cereals will kill moth larvae that may come in the packaged products. See more control methods.

    Other species : Tenebrio molitor Linnaeus larvae olhar like wireworms. There is another species of mealworm called the dark mealworm or Tenebrio obscurus, which matures more quickly than the yellow, and adult beetles lay more eggs. The confused flour beetle (Tribolium confusum) is sometimes referred to as a mealworm. The lesser mealworm (Alphitobius diaperinus [Panzer] is also known as the Litter Beetle, Black Bug or Darkling Beetle. "Superworms" (also called King Mealworms, megaworms, kingworms. Sometimes called Giant mealworms, although these are usually T. molitor treated with growth hormones) are Zophobas morio (sometimes listed as Zoophorbas) They are not treated with hormones, but are naturally larger (around 2-3 times bigger) than regular mealworms. They are native to Central/South America.

    Raising Superworms : Superworms (Zophobas morio) also called King Mealworms, King Worms or Megaworms, are used for feeding reptiles, birds, and for bait. Apparently they have less of an exoskeleton than mealworms. It is more difficult to breed superworms, but it can be done. Here is some information that Larry Broadbent gleaned from the Internet and experience. NOTE: Some sources indicate that if an animal (like a bird) consumes a superworm without chewing it, it could bite them in the stomach. Therefore, the head should be removed before feeding them to birds.

    • Superworms SHOULD NOT BE REFRIGERATED as it will kill them.
    • A 10 gallon Rubbermaid bin holds three hundred worms. Figure that about half will die before they turn into beetles.
    • 1-4" of bedding mix should be placed on the bottom of the bin. Wheat bran bedding mixed with some poultry mash works best. Some commercial growers add brewers yeast to increase growth and add protein content.
    • Like mealworms, superworms require moisture - otherwise they will cannibalize each other. This is the dilemma. The worms need the water, but too much water will get into the bedding, and the bedding will ferment, bacteria will grow, and the worms will die. Potato, and/or apple slices work well. The worms "drink" from the slices, and the bedding stays dry.
    • Superworms require warmth. Room temperature is fine for keeping the worms, but they need 70ºF and up to breed. Colonies should be kept at 70-80 degrees F, or eggs, worms, and pupa will die and beetles will not reproduce.
    • Like mealworms, superworms have four stages: egg, larva (worm), pupa and beetles. The beetles are much larger than mealworm beetles, and change color as they mature. The beetle stage lays eggs.
    • To get superworms to pupate, place them under stress. Unlike mealworms, superworms should be placed individually in small plastic containers such as 35mm film containers (stacked on their sides like drums), in order for them to metamorphose. Egg cartons or covered ice cube trays might also work. Include a little bran, cover the container with a cap, and check weekly.
    • It will take a +/-30 days for them to pupate. The worms should curl up. This means they are morphing. If they are straight and still, they are dead. Dead Superworms stink.
    • Pupae do not eat. If touched or exposed to bright light, they may wiggle.
    • When they become beetles (turning from white to reddish color in 24 hours), place them into a bin with bran/chicken feed, and slices of potato or apple quarters. Place 100-150 in a 3 gallon Rubbermaid bin filled with 1-2" of peat moss.
    • About two eggs would fit on the head of a pin. Move beetles to a new container every 10-14 days to keep the beetles or newly hatched worms from eating the eggs. When the beetles die in a few weeks remove them, and leave the bin at 70ºF.
    • New worms should be visible in about a month or two after the death of the beetles.
    • Some farmers only feed newly molted (white) superworms to reptiles, as there have been cases where adult superworms injured some herps such as chameleons.

    Comments on my experience so far raising mealworms : I purchased 5,000 large mealworms in the winter, and it seemed like it took forever for them to pupate. I had to buy a heat lamp because I think temperatures were too low. As a result, the cabbage dries out quickly. It took much longer than the literature said for the pupae to metamorphose into beetles. I made the mistake of not having "siftable" bedding to periodically remove eggs, and I think the beetles ate them. I don't mind the worm or pupal form, but the beetles gross me out. I find the sound of them crawling around creepy. I have to separate the forms out once every week or two, which is tedious. If you are looking for a fun and exciting hobby, this ain't it! But it will save money.

    References and More Information:

    • Feeding/Raising Mealworms - Best of Bluebird_L Classified by E.A. Zimmerman - includes DIY feeder instructions
    • How To Start and Maintain a Mealworm Colony by John Thompson
    • Mealworm links (some broken)
    • Raising Mealworms fact sheet by Ohio State University
    • FEEDING MEALWORMS - Solving the Problem of Mealworm Getaway By Nola Aiken
    • The Smith Meal Worm Feeder by Katherine Smith
    • Feeding bluebirds by Jan Alhgren
    • Keeping and Raising Mealworms by Tricia
    • Raising mealworms or fishing worms, University of Kentucky
    • Raising and Caring for Mealworms - Bruce Johnson and Morgan Davidson
    • NABs fact sheet - Feeding Mealworms
    • Bluebird_L Reference Guide
    • Recipes for human consumption, Food Insect Newsletter
    • Mealworms, Fawzi Emad - caring for, training bluebirds to come to feeder
    • How To Start And Maintain A Mealworm Colony by John Thompson
    • The Bluebird Monitor's Guide to Bluebirds and Other Small Cavity Nesters by C. Berger, K Kridler and J Griggs
    • http://www.dbs.nus.edu.sg/research/fish/livefood/mealwm.html
    • Asthma caused by live fish bait by Siracusa A, Bettini P, Bacoccoli R, Severini C, Verga A, Abbritti G., Institute of Occupational Medicine, University of Perugia, Italy.
    • Maintaining a Mealworm Farm by Carol Heeson
    • The Breeding of Mealworms, RSPB Birds (and Superworms) by RepVet - Hanley's Herps with good photos by Ron Salem
    • Brewers Yeast supply online - various places - e.g. Omaha Vaccine or BulkFoods.com - good info, also info on king worms
    • Larry Broadbent of Canada , Ohio State University Fact Sheet by Tony West
    • Thanks to Liz Cooksey, who reported on the etymology of the scientific name for mealworms - tenebrio molitor- "tenebrio" comes from "tenebrion -- one who lurks in the dark" and "molitor" means "miller"

    Que todos os seus blues sejam pássaros!

    Se você tiver problemas com o site / encontrar links quebrados / tiver sugestões / correções, por favor contate-me!
    O objetivo deste site é compartilhar informações com qualquer pessoa interessada na conservação do bluebird.
    Sinta-se à vontade para criar um link para ele (de preferência, porque eu atualizo o conteúdo regularmente), ou usar texto dele para fins pessoais ou educacionais, com um link de volta para http://www.sialis.org ou uma citação do autor.
    Nenhuma permissão é concedida para uso comercial.
    O aparecimento de anúncios do Google gerados automaticamente ou de outros anúncios neste site não constitui endosso de nenhum desses serviços ou produtos!

    Foto no cabeçalho de Wendell Long.
    e cópia As fotografias originais são protegidas por direitos autorais e não podem ser usadas sem a permissão expressa do fotógrafo. Por favor, respeite sua proteção de direitos autorais.
    Veja a isenção de responsabilidade, necessária para o mundo tristemente litigioso de hoje.
    Last updated March 27, 2016 . Design por Chimalis.


    Assista o vídeo: Besouro, você pode voar (Janeiro 2022).